quinta-feira, 17 de junho de 2010

Erupção - Um poema de Vicente Portella


Trezentos e cinquenta sóis
Uma língua como a tua
Meus dedos batendo os nós
Na porta da alma nua

Misturado em teus lençóis
O cheiro da tua carne
E os raios alvos da lua

E você desnorteada
Amarfanhando os cabelos
Gerando no cerebelo
Imagens de mil cenários
Eu tonto incendiário
Absorvendo teu fogo
Dama, diva, dona, jogo

Senhora dos meus delírios
Escrava dos meus encantos

Dedos, bocas, seivas, canto
Voz, sorriso, sensações
Diversas e variadas

As palmas das tuas mãos
Devidamente espalhadas
Por dentro dos meus sentidos
A explosão nos meus ouvidos
O corpo em erupção.


http://vicenteportella.blogspot.com/

5 comentários:

  1. Valeu Cláudia. Muito legal vc postar meu texto. Valeu mesmo.Quanto à música em meu Blog, é de um casal de amigos. A Bia, além de compor, escreve muito, muito bem e canta demais. O stanley também é poeta, além de compositor e músico profissional. São dois baita talentos aos quais eu tenho a felicidade de ter como amigos.
    Beijão pra tu e obrigadão pela força.

    ResponderExcluir
  2. Um detalhe que eu esqueci de falar: Paixão, do Kleiton e do Kledir, é uma música maravilhosa. Adoro ouvi-la e curti-la...

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito deste seu poema.

    No video da música de Kleiton & Kledir há um poema meu em baixo.

    ResponderExcluir
  4. Oi Claúdia,

    Só hoje li o poema e gostei muito. o tema, a forma, o conteúdo, tudo ali me agrada.

    beijão pra tu

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo este poema

    parabéns ao Vicente

    Beijos amiga

    Calina

    ResponderExcluir