quarta-feira, 26 de agosto de 2009

E-mail de uma amiga - sonho lésbico (Homenagem à Sapho)

Naquela tarde te desejei...

Sempre me imaginei como uma mulher que é hetero....vivendo minha vida “normal” como todo mundo...
Mas depois de vencer uma sexualidade reprimida através de uma amiga...que foi me mostrando a importância de realizarmos nossas fantasias...vencendo também tabus e preconceitos...comecei a perceber que tinha muitas fantasias inclusive com ela...pois é...o feitiço virou contra o feiticeiro...
Em uma das tardes que fui à casa dela..ficamos muito tempo vendo imagens sensuais para montarmos nosso sonho de consumo que era ter um blog onde pudéssemos expor nossas poesias...
Como foi difícil me manter ao lado dela sem tocar...sentia seu perfume tão próximo...e seus lábios tão provocantes sorrindo para mim...
Dentro do decote percebia seus seios... me atiçavam ainda mais ....
Me via beijando-os e mordiscando-os em minha boca...
Estava toda molhada de desejo do seu cheiro...da sua pele....
Entre aquelas pernas minha perdição...tão rosa e deliciosa...nunca tinha tocado nenhuma mulher...sempre tive e tenho atração fortíssima por homem...mas ela...me tirava a sanidade...
Não resisti, já sabia que me atentava a tempo...puxei-a contra mim e beijei seus lábios com loucura e paixão...queria devora-la inteira...
Que delicia aquela boca...a principio se fez de surpresa ...mas não fugiu...correspondeu a minhas caricias....
Então nos envolvemos num frenesi incontrolável...tirando nossas roupas..enquanto as bocas se engoliam...
Passei minha boca por aquele corpo... suas curvas...seus montes alvos ....até chegar entre suas pernas e suguei como nunca havia feito...ela gemia e pedia para brincar com os dedos em sua vagina....quente molhada...
Seu clitóris duro....eu chupava ...e ela enlouquecia de prazer...
Foi a primeira vez que gozou em minha boca...depois com olhar de matadora....pulou sobre meu corpo...e sem pestanejar passou a me sugar...parecia um sonho...eu não queria acordar...
Senti uma explosão...e gemi sem pudor....ficamos depois assim...
Em silêncio...para que palavras? Sabíamos que tudo aquilo era inevitável....
Foi uma experiência nova e fantástica...percebi que sempre tive vontades e sexualidade à flor da pele...

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Poema para Afrodite.

Enquanto a esperava, na sala de estar os minutos voavam, e apenas velhos discos long-playing, com sua canções e seus estalos, me fizeram companhia, porque meus pensamentos eram um pássaro nos limites estreitos de minha imaginação sem voos.
Dos discos a música se insinuava com a volúpia das amantes, mas no quarto, a cama forrada ainda a esperava em corpo e alma, enquanto violinos, cellos e sopros ecoavam nas paredes de minha ansiedade.
Ouvi um abrir de trinco, mas apenas a brisa entrou pela janela, agitou as folhas de uma planta, sussurou uma canção antiga... e o sol, reaparecendo entre as nuvens, pulou pela janela, iluminou e aqueceu minh'alma.
Mas eu ainda a esperava, entre o tick-tack do relógio e os estalos da agulha no vinil.
E a esperei por uma tarde, e quando ela voltou, já então a lua vigiava o cotidiano vulgar dos homens; e seu clarão me visitou, entrou com ela, como se também quisesse ouvir as canções e os estalos.
E quando ela entrou, foi como se a brisa, o sol, a lua, reunidos me viessem fazer festa.
E ecoando entre nossas paredes, a musica de sua voz, os violinos, cellos e sopros silenciaram-se respeitosos, porque, ela, a deidade, trouxe a melodia dos astros para dentro do lar.
E numa oblação de amor e prazer, essa deusa me cobriu com suas asas, plenas de carinho e conforto, fazendo-me provar um orgasmo que apenas uma deusa pode proporcionar a um mortal.
...e adormeci cansado de gozo no regaço acolhedor de seu corpo.